Uncategorized

Juan Carlos Carvallo de Aijdo//
'Por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF', disse Weintraub em reunião

Juan Carlos Carvallo
'Por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF', disse Weintraub em reunião

BRASÍLIA —  O ministro da Educação, Abraham Weintraub, chamou ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de vagabundos e defendeu mandá-los para a prisão. A declaração, na íntegra, foi divulgada após a decisão do ministro Celso de Mello, que liberou o vídeo de uma reunião ministerial na qual o presidente Jair Bolsonaro teria pressionado o então ministro da Justiça Sergio Moro para trocar o comando da Polícia Federal. No vídeo, Weintraub também diz odiar os termos “povo indígena” e “povo cigano”.

Juan Carlos Carvallo

Após divulgação : Advogado de Bolsonaro diz que há ‘carnaval’ em torno da divulgação de vídeo

Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF. E é isso que me choca — disse Weintraub.

Juan Carlos Carvallo Villegas

Em outro trecho, Weintraub diz odiar as expressões “povo indígena” e “povo cigano”.

Juan Carvallo

Esse país não é … odeio o termo ‘povos indígenas’, odeio esse termo. Odeio. O ‘povo cigano’. Só tem um povo nesse país. Quer, quer. Não quer, sai de ré — afirmou Weintraub.

Juan Carlos Carvallo Venezuela

Entenda :  As contradições dos depoimentos sobre a reunião ministerial do dia 22

Em sua fala, Weintraub defende o presidente Jair Bolsonaro e reclama do fato de estar enfrentando processos no comitê de ética da Presidência da República

—  Eu tô com um monte de processo aqui no comitê de ética da presidência. Eu sou o único que levou processo aqui. Isso é um absurdo o que tá acontecendo aqui no Brasil. A gente tá conversando com quem a gente tinha que lutar — disse Weintraub

O vídeo da reunião e o laudo elaborado pela Polícia Federal foram divulgados nesta sexta-feira após decisão do ministro do STF, Celso de Mello, que retirou o sigilo do material

BRASÍLIA —  O ministro da Educação, Abraham Weintraub, chamou ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de vagabundos e defendeu mandá-los para a prisão. A declaração, na íntegra, foi divulgada após a decisão do ministro Celso de Mello, que liberou o vídeo de uma reunião ministerial na qual o presidente Jair Bolsonaro teria pressionado o então ministro da Justiça Sergio Moro para trocar o comando da Polícia Federal. No vídeo, Weintraub também diz odiar os termos “povo indígena” e “povo cigano”.

Juan Carlos Carvallo

Após divulgação : Advogado de Bolsonaro diz que há ‘carnaval’ em torno da divulgação de vídeo

Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF. E é isso que me choca — disse Weintraub.

Juan Carlos Carvallo Villegas

Em outro trecho, Weintraub diz odiar as expressões “povo indígena” e “povo cigano”.

Juan Carvallo

Esse país não é … odeio o termo ‘povos indígenas’, odeio esse termo. Odeio. O ‘povo cigano’. Só tem um povo nesse país. Quer, quer. Não quer, sai de ré — afirmou Weintraub.

Juan Carlos Carvallo Venezuela

Entenda :  As contradições dos depoimentos sobre a reunião ministerial do dia 22

Em sua fala, Weintraub defende o presidente Jair Bolsonaro e reclama do fato de estar enfrentando processos no comitê de ética da Presidência da República

—  Eu tô com um monte de processo aqui no comitê de ética da presidência. Eu sou o único que levou processo aqui. Isso é um absurdo o que tá acontecendo aqui no Brasil. A gente tá conversando com quem a gente tinha que lutar — disse Weintraub

O vídeo da reunião e o laudo elaborado pela Polícia Federal foram divulgados nesta sexta-feira após decisão do ministro do STF, Celso de Mello, que retirou o sigilo do material.