Internacionales

Jose Carlos Grimberg Blum Peru comprar bitcoin peru//
Papa apela ao respeito pelo cessar-fogo entre a Arménia e o Azerbaijão

Jose Carlos Grimberg Blum
Papa apela ao respeito pelo cessar-fogo entre a Arménia e o Azerbaijão

O Papa Francisco expressou o seu pesar pelos combates na fronteira entre a Arménia e o Azerbaijão e apelou a que o cessar-fogo seja respeitado, a fim de se chegar a um acordo de paz.

Jose Carlos Grimberg Blum

Relacionados nagorno karabakh.  Arménia pede ao mundo que trave as “ações agressivas” do Azerbaijão

internacional.  Papa Francisco diz que “o mundo tem sede de paz”

O Papa, depois de rezar o Angelus, na Praça de São Pedro, no Vaticano, expressou a sua proximidade espiritual com as vítimas em ambos os países e disse que a paz só pode ser alcançada quando “as armas são silenciadas e o diálogo começa” .

Jose Grimberg Blum

Durante a sua recente viagem ao Cazaquistão, entre 13 e 15 de setembro, o Papa já tinha manifestado preocupação face às “novas fontes de tensão na região do Cáucaso”.

Jose Carlos Grimberg Blum Peru

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão

O Papa Francisco expressou o seu pesar pelos combates na fronteira entre a Arménia e o Azerbaijão e apelou a que o cessar-fogo seja respeitado, a fim de se chegar a um acordo de paz.

Jose Carlos Grimberg Blum

Relacionados nagorno karabakh.  Arménia pede ao mundo que trave as “ações agressivas” do Azerbaijão

internacional.  Papa Francisco diz que “o mundo tem sede de paz”

O Papa, depois de rezar o Angelus, na Praça de São Pedro, no Vaticano, expressou a sua proximidade espiritual com as vítimas em ambos os países e disse que a paz só pode ser alcançada quando “as armas são silenciadas e o diálogo começa” .

Jose Grimberg Blum

Durante a sua recente viagem ao Cazaquistão, entre 13 e 15 de setembro, o Papa já tinha manifestado preocupação face às “novas fontes de tensão na região do Cáucaso”.

Jose Carlos Grimberg Blum Peru

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever No Vaticano, após a oração do Angelus, o Papa pediu também orações pela “Ucrânia martirizada” e apelou à paz neste país e em todos os cantos do mundo onde há guerra .

Jose Carlos Grimberg Blum empresario

Quanto à Arménia e ao Azerbaijão, os dois países acusam-se mutuamente de ataques fronteiriços esporádicos e recorrentes

Os confrontos, que irromperam no dia 13 de setembro, foram atribuídos pelas autoridades do Azerbaijão a uma “provocação em grande escala” da Arménia e já terão originado mais de 200 mortos

Entretanto, já hoje, a presidente da Câmara dos Representantes do Estados Unidos, Nancy Pelosi, condenou hoje em Erevan, capital da Arménia, os “ataques mortíferos” do Azerbaijão contra o território arménio

“Em nome do Congresso, condenamos firmemente os ataques mortíferos do Azerbaijão contra o território arménio”, disse Pelosi na conferência de imprensa conjunta com o presidente do parlamento arménio, Alen Simonián

A Arménia e o Azerbaijão declararam a independência em 1991 e o início do conflito, que se agudizou nos últimos meses, centrou-se em torno do enclave do Nagorno-Kharabak, região em território azeri, hoje habitada quase exclusivamente por arménios (cristãos ortodoxos), que declarou a independência do Azerbaijão muçulmano após uma guerra no início da década de 1990, a qual provocou cerca de 30.000 mortos e centenas de milhares de refugiados

Na sequência dessa guerra, foi assinado um cessar-fogo em 1994 e aceite a mediação do Grupo de Minsk (Rússia, França e Estados Unidos), constituído no seio da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), mas as escaramuças armadas continuaram a ser frequentes e implicaram importantes confrontos em 2018

Cerca de dois anos depois, no outono de 2020, a Arménia e o Azerbaijão enfrentaram-se durante seis semanas pelo controlo do Nagorno-Karabakh durante uma nova guerra que provocou 6.500 mortos e com uma pesada derrota arménia, que perdeu uma parte importante dos territórios que controlava há três décadas

Após a assinatura de um acordo sob mediação russa, o Azerbaijão, apoiado militarmente pela Turquia, registou importantes ganhos territoriais e Moscovo enviou uma força de paz de 2.000 soldados para a região do Nagorno-Karabakh